Unidade de Triagem Automatizada de Materiais Provenientes da Recolha Seletiva

 

A Estação de Triagem é o local onde se realizam as operações de separação dos resíduos provenientes da recolha seletiva, dos ecopontos e dos ecocentros, nomeadamente o papel e o cartão e as embalagens de plástico e de metal.

Depois de serem descarregados numa plataforma, vão alimentar a linha de triagem, passam num crivo rotativo onde há uma separação dos resíduos volumosos. De seguida os recicláveis passam por um equipamento abre-sacos, que coloca todas as embalagens em condições de poderem ser separadas. Os sacos de plástico são separados por processos automáticos e semiautomáticos, enquanto as restantes embalagens passam por um separador balístico, que as divide em três frações: finos, planos e rolantes. Cada uma destas frações é tratada em sequências de equipamentos: separadores de metais ferrosos, separadores de metais não ferrosos e separadores óticos por tecnologia de infra-vermelhos.


Estas operações de triagem automáticas são complementadas por ações de triagem manual de afinação, permitindo atingir elevadas qualidades de separação. Uma vez separados, todos os produtos passam por um posto de controlo de qualidade, por forma a garantir as especificações técnicas necessárias ao seu encaminhamento para a reciclagem. Produzem-se, fardos dos varios materiais processados, como de cartão, papel e cartão, plásticos PEAD, PEBD, PET, PET óleo, mistos e Tetra-pack, bem como de metais ferrosos e metais não ferrosos.

As unidades de triagem dispõem de capacidades de processamento de 4 toneladas por hora de embalagens plásticas e metálicas e de 8 toneladas por hora de papel e cartão.

Cada unidade de triagem dispõe de um ecocentro, constituído por baias de betão armado para armazenamento de fluxos de materiais recicláveis com destino a entidades gestoras desses resíduos ou de operadores licenciados para a sua valorização (REEE, sucata, madeira e vidro).